Características da variante moçambicana da língua portuguesa com base na análise morfossintática dos diálogos presentes nos romances e contos de Mia Couto

Main Article Content

Sylwia Mikołajczak

Abstrakt

Portuguese is a native language of only a handful of people in Mozambique. However, it successfully plays the role of a common language of communication in the field of politics and economics. At the same time, it is a determinant of social status and, in the world of literature, it gives one the opportunity to break through to the readers around the Globe. Portuguese in Mozambique presents many differences from the European standard, and the specific characteristics of this variant can be found in the texts of Mia Couto. The purpose of this article is to present the differences between the variant of Mozambique and the European model of Portuguese, mainly in the field of morphosyntax, observed in the texts of Mia Couto. The marked differences can be seen, among others, in the use of prepositions, order of pronominal elements, in the structure of periphrastic and passive constructions, and the selection of verbal arguments. The features are highly repetitive, but at the same time, they occur quite irregularly, together with the structures accepted by the standard. It is, therefore, difficult to speak of a systematic language variant, but surely it is on its way to be established.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

Jak cytować
Mikołajczak, S. (2019). Características da variante moçambicana da língua portuguesa com base na análise morfossintática dos diálogos presentes nos romances e contos de Mia Couto. Studia Romanica Posnaniensia, 46(3), 117-131. https://doi.org/10.14746/strop.2019.463.008
Dział
ARTÍCULOS

Bibliografia

  1. Brito, A.M. (2001). Relativas de genitivo no português europeu e no português de Moçambique, In. C. Nunes Correia, A. Gonçalves (Eds.), Actas do XVI Encontro Nacional da APL (pp. 115-129). Lisboa: APL.
  2. Duarte, I. (2000). Língua Portuguesa: instrumentos de análise. Lisboa: Universidade Aberta.
  3. Firmino, G. (2008). A situação do português no contexto multilingue de Moçambique. Maputo: Universidade Eduardo Mondlade.
  4. Gonçalves, P. (1996). Aspectos da sintaxe do português de Moçambique. In I. Hub Faria et al. (Eds.), Introdução à linguística geral e portuguesa (pp. 313-322). Lisboa: Caminho.
  5. Gonçalves, P. (1997). Português de Moçambique. Uma variedade em formação. Maputo: Universidade Eduardo Mondlade.
  6. Gonçalves, P. (2000). Dados para a história da língua portuguesa em Moçambique. Maputo, http://cvc.instituto-camoes.pt/hlp/geografia/portuguesmocambique.pdf (acesso: 20.05.2016).
  7. Gonçalves, P., Chimbutante, F. (2002-2003). O papel das línguas bantu na génese do português de Moçambique: O comportamento sintático de constituintes locativos e direcionais. Maputo: Universidade Eduardo Mondlade.
  8. Gonçalves, P. et al. (1998). Estruturas gramaticais do português: problemas e exercícios. Maputo INDE: Panorama do português oral de Maputo, 3, 36-139.
  9. Hagemeijer, T. (2016). O português em contacto em África. In A.M. Martins, E. Carrilho (Eds.), Manual de Linguística Portuguesa (pp. 43-67). Berlin/Boston: De Gruyter.
  10. Hlibowicka-Węglarz, B. (2003). Język portugalski w świecie. Lublin: Wydawnictwo UMCS.
  11. Lopes, A.J., Sitoe, S.J., Nhamuende, P.J. (2013). Moçambicanismos: para um léxico de usos do português moçambicano. Luanda: Editora Letras.
  12. Mikołajczak, S. (2018). Interferências entre o espanhol L2 e o português L3. Estudo qualitativo e quantitativo com foco em categorias funcionais. Poznań: Wydawnictwo Naukowe UAM.
  13. Nhatuve, D. (2017). Reflexão sobre a normatização do português de moçambique. Florianópolis. Fórum Linguístico, 14 (2), 1997-2007.
  14. Pereira, D. (2006). O essencial sobre a língua portuguesa: crioulos de base portuguesa. Lisboa: Caminho.
  15. Timbane, A.A. (2013). A variação linguística e o ensino do português em Moçambique. Revista Confluências, 43 (2), 263-286.
  16. Timbane, A.A. (2016). Que português se fala em Moçambique? Uma análise sociolinguística da variedade em uso. Vocábulo. Revista de Letras e Linguagens Midiáticas, 7, Ribeirão Preto.
  17. Vilela, M. (1995). Ensino da língua portuguesa: léxico, dicionário, gramática. Coimbra: Almeida.
  18. Vilela, M. (1999). A língua portuguesa em África: Tendências e factos. Africana Studia, 1, Edição da Fundação Eng. António de Almeida, Porto.
  19. Zamparoni, V.D. (2009). Colonialismo, jornalismo, militância e apropriação da língua portuguesa. Moçambique nas décadas iniciais do século XX. In C. Galves, H. Garmes, F.R. Ribeiro (Eds.), África-Brasil: caminhos da língua portuguesa. Campinas-SP: Unicamp.
  20. Textos analisados no corpus
  21. Couto, M. (1991). Cronicando. Lisboa: Caminho.
  22. Couto, M. (1997). Contos do Nascer da Terra. Lisboa: Caminho.
  23. Couto, M. (2000). O último voo do flamingo. Lisboa: Caminho.
  24. Couto, M. (2002). Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. Lisboa: Caminho.
  25. Couto, M.(2004). O fio das missangas. Lisboa: Caminho.